27 de junho de 2008

Despudoradamente





Abraça com volúpia
sem culpa ou desculpa
sem qualquer pudor

despudoradamente
sulca
a minha pele em brasa

abrasa esse amor
completamente lúdico
que eclode em esplendor

03/06/2008

Ariadna Garibaldi







25 de junho de 2008

Esse amor dá samba

Tela: Samba de PORTINARI (1956)


Quero dizer o que sinto
por você amor
venho cantar à paixão
que me transformou
antes eu era infeliz
hoje sou uma aprendiz
do que é felicidade
amar de verdade
o destino é quem diz

Quero dizer da razão
desse meu amor
que já não é ilusão
é vida em flor
antes estava perdida
hoje eu tenho guarida
sigo ao teu lado sorrindo
meu mundo é tão lindo
me encontrei na vida

E se você quer saber
tenho bem mais pra você
mas se você duvidar
posso lhe convencer

24/06/2008

Ariadna Garibaldi


24 de junho de 2008

Namorado é peixe de mar



Eu vou mergulhar no mar
em busca do namorado
no mar desse teu olhar
que me espreita com cuidado
e nas águas quero levar
os sonhos que tenho bordado
na barca do poetar...

12/06/2008

Ariadna Garibaldi

20 de junho de 2008

Tatuagem


(Tela de Roman de Blas)

Teu amor é tatuagem
que me desatina
eu mantenho a tua imagem
presa na retina
O meu rosto fica em festa
quando te aproximas
tá escrito em minha testa
e o tempo não declina:
Eu sou tua para sempre
e não me contradigas!

11/12/2007

Ariadna Garibaldi


19 de junho de 2008

A rosa



O texto a seguir trata de um fato real e foi escrito aos 14/02/2005 logo após o acontecido:

A Rosa


Hoje acordei com vontade de mar. Mesmo muito gripada e ainda sentindo a garganta doer, vesti meu biquíni e fui até a praia. Como é gostoso sentir o sol na pele... Havia muitas crianças brincando e várias pessoas faziam suas caminhadas. Preferi sentar-me sobre a canga, os trezentos metros que andei de minha casa até ali pareceram quilômetros. Não tenho me alimentado direito por causa da gripe. Fiquei avaliando minhas pernas... Cheguei à conclusão que pra alguma coisa a gripe ta me valendo, emagreci um pouco...
Estava assim imersa em meus pensamentos, quando senti alguém se aproximar. Levantei os olhos e era uma menininha, cabelos com lindos cachos loiros e um sorriso que invadia a alma e iluminava qualquer pessoa que tivesse a alegria de encontrar aquele anjo...
Retribui o sorriso e ela apontando o mar falou: -Ei, você ta vendo aquele barquinho lá longe? Respondi: -Estou sim! Ela tornou a falar: - Eles, estão pescando, vão chegar com um montão de peixe! Eu então perguntei: - É mesmo? E como você sabe? Ela então sentou-se ao meu lado e falou apontando para o nosso lado esquerdo: - O meu pai me falou. A poucos metros de distância estava um jovem casal. Eles nos observavam e a chamaram, mas ela respondeu: -Não, eu quero ficar aqui com ela, eu to conversano (forma como ela falou) Eu disse que poderiam deixá-la conversar comigo, eu tava gostando. Conversamos sobre as marias da praia (siris), sobre águas vivas, sobre as tartarugas que todos os anos deixam seus ovos em nossa praia e ficamos assim, por uma meia hora, até que seus pais a chamaram. Ela, claro, não queria ir embora. Mas foi, não sem antes protestar um bocado. Eu também já ia me levantar pra voltar pra casa, pois o sol começava a esquentar e meu corpo pedia uma ducha fria e cama. Então ouvi passos atrás de mim e uma voz de anjo a dizer: -Ada, Ada, Ada! Trouxe essa rosa pra você! Os pais logo atrás: -Desculpe, ela quando quer uma coisa é fogo, ela gostou de você. Em suas mãos uma flor amarela, cujo nome não sei, mas é uma flor silvestre, que nasce de uma plantinha rasteira que dá na nossa praia, plantinhas sob as quais as tartarugas cavam e deixam seus ovos. Suas mãozinhas pequenas, seguravam a flor e ela falou: -Ada, essa rosa é pra você não ficar triste, viu? Amanhã eu volto. Eu mal podia segurar as lágrimas, mas falei: Essa é a rosa mais linda que já vi. Obrigada querida. Ela ia me dar um beijo, argumentei que estou gripada, ela respondeu: -Eu também tô! Deu-me um beijo e se foi. Chegando em casa coloquei a pequena flor em um copo com água. A minha filha estranhando, perguntou: -Que arrumação é essa mãinha? Pra quê essa flor de praia num copo? Eu respondi: -Flor não, rosa! Essa é a mais linda rosa que já recebi na vida...

E esse foi o dia em que recebi de um anjo, uma rosa.

Ariadna Garibaldi
fydpuej59b

Aparência

Tela de Román de Blas Aparência O sorriso - algumas vezes - é apenas o disfarce das lágrimas que não chegam até a ...