27 de julho de 2008

Flor Poética


Ilustração: Tela da querida amiga Deusa Costa




Flor Poética

Envolta em meus muitos devaneios
tomada pela doce flor poética
que exala fantasia

flutuo ao sabor do seu perfume
nas asas do meu lúdico sentir
entregue à poesia

e vivo eu assim a fazer versos
de tudo o que houver pra ser sonhado

e só deponho a minha pena

até que tenha - enfim -
a última palavra suspirado


25/07/2008

Ariadna Garibaldi

20 de julho de 2008

Ao meu melhor amigo




Quando da paixão
cessar a voz e o
doce som do riso
a alegria se esvair
e a dor for atroz
tudo for tristeza
pranto desmedido
olha pro teu lado
estarei contigo
eu serei para ti
o perfeito abrigo
tudo que se espera
do melhor amigo

20/07/2005


(Ariadna Garibaldi)





Tela de Andrew Hughes

16 de julho de 2008

Incondicionalmente




Não importa o quanto passe o tempo
não importa o acontecimento
eu te amo, meu filho!
Incondicionalmente
porque filho, é para sempre
e mãe também...

Não importa se haja paz ou guerra
ou se um cataclismo consuma a terra
eu te amo, meu filho!
Incondicionalmente
porque mãe, é para sempre
e filho também...

Não importa se haja riso ou dor
não importa se erres ou acertes
eu te amo, meu filho!
Incondicionalmente
porque amor de mãe, é para sempre
e de filho, também!

16/07/2008

Ariadna Garibaldi

15 de julho de 2008

O canto dos pássaros


Ilustração: Tela de Leida Nogueira

Gritou o silêncio
e ele surdo não ouviu
os seus pensamentos ruíam
mórbidos, estranhos
até que sem sentido
esvaziou-se do medo
desvencilhou-se do corpo
bradou livre a sua voz
que não saia da garganta
mas sim da alma
onde a tristeza era tanta
irrompeu a alegria
sem estardalhaços
nem fiascos
ao som das harpas
e do canto dos pássaros

14/07/2008

Ariadna Garibaldi

14 de julho de 2008

Selo de alma


Ilustração: Tela de Vidan
O amor é inesgotável
aspiração incansável
é chama que não declina

é fonte de poesia
uma doce sinfonia
que embala os sonhos meus

o amor não tem adeus
tem a cor dos olhos teus
é perene como um rio

É selo que me acalma
tatuado em minha alma
o meu amor tem teu nome

O meu amor é ainda
fogo que não consome
inspiração que não finda

13/07/2008

Ariadna Gariabaldi

13 de julho de 2008

O conto e o sonho

Ilustração: Tela de Kotiantz Gevork






Num conto esquecido
costurado em pontos tantos
há um sonho de mulher
em letras nada legíveis
palavras incompreensíveis
para quem não sabe amar...
e das linhas que se vê
entremeios e ponteios
caseados e ornados
estão os verbos grifados
e a desinência é você...

24/02/2006



Ariadna Garibaldi






9 de julho de 2008

Em pura liberdade


Sucumbe a minha alma em cativeiro
padece de uma dor que não maltrata
ri-se da morte que me não mata
é livre para amar-te por inteiro

cativa a esse amor que a arrebata
incólume porém enamorada
sem luta ou resistência se entrega
ao sentimento ardente que não nega

o dom que aprisiona e liberta
num ato de lirismo quase insano
confunde o que é santo e é profano
beatifica o amor alma poeta

mistura realidade e fantasia
acinte de paixão imerecida
nos átrios submersos da razão
na estrofe ritmada da poesia

09/07/2008

Ariadna Garibaldi

Ilustração: Tela de
Vidan

6 de julho de 2008

Construção



Construí
tijolo por tijolo
este edifício

argumentos sustentáveis
como vigas
paredes de idéias

verborragia poética
mas não acéfala

e na antítese dos sons
e harmonias
sintetizei o amor

06/06/2008

Ariadna Garibaldi


Mar em mim




Meu amor é assim
um mar de você
dentro de mim


18/05/2008

Ariadna Garibaldi


Tela de George Dmitriev

Aparência

Tela de Román de Blas Aparência O sorriso - algumas vezes - é apenas o disfarce das lágrimas que não chegam até a ...