17 de julho de 2009

Espelho

mirror

Tela de Douglas Hofmann

Eu sou a outra de mim,
desconhecida de ti,
cujo habitat é a alma.

A outra é a minha recâmara
eu, o seu próprio jardim.

A outra tem sonhos alados
e tece em muitos brocados
os poemas que faço meus;

porque eu sou a outra de mim
e a outra de mim sou eu.

17/07/2009

Ariadna Garibaldi

4 comentários:

  1. Grato pela visita ao Balaio. Sua poesia, pelo que li, revela uma autora com sensibilidade. Ah, sim: adoro João Pessoa.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. uma que conhecemos, outra que escondes?
    uma mais e outra menos apaixonada?

    não sei
    as todas 'de ti' se completam...

    beijo
    El

    ResponderExcluir
  3. É muito bom ler os comentários. Obrigada Moacy Cirne, Volte mais vezes aqui!

    Obrigada a ti também, querida El; Eu não diria que escondo, diria que a revelo na poesia...

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Ariadna, apenas duas palavras: lindo e parabéns.
    Ah! uma terceira: Beijo

    ResponderExcluir

Aparência

Tela de Román de Blas Aparência O sorriso - algumas vezes - é apenas o disfarce das lágrimas que não chegam até a ...