30 de agosto de 2009

Crisálida

 

crisalida2.stamp[4]

Arte fotográfica  Crisálida de José Luis Álvarez

 

 

As noites correm soltas
fluem nuas
na ausência dos teus beijos e carícias
aquece-me a fé
- e os meus desejos -
sufoco no clarão das muitas luas

abraço a minha alma
e repouso
qual fênix que espera pelas penas
crisálida que anseia pelas asas
a rir-se
saboreia as próprias lágrimas

as noites fluem nuas
correm soltas
por beijos
os arpejos dessa lira
que sorvo como cálice de mirra
a me curar as dores e  feridas

30/08/2009

Ariadna Garibaldi

28 de agosto de 2009

Fábulas

129_2842-O jogo de cartas

Tela de Balthus

 

 

Conta quantas são as contas
desse colar de esperanças
qual contávamos as conchas
que catávamos na areia...

Conta quantas são as meias
verdades ditas ou não
quantas cartas tens nas mãos
ou escondidas nas mangas...

Conta quantas são as sombras
que serpenteiam nas ondas
do teu cérebro alterado
pelo teu ego inflamado...

Conta quantas são as teias
que teces com as meadas
de tuas palavras cruas
e mentiras encantadas...

Conta o conto ponto a ponto
como se fosse um bordado
urdido em tecido raro
assim quem sabe eu creia...

16/03/2006

Ariadna Garibaldi

24 de agosto de 2009

Violetas Azuis

violetas

Sobre o azul das violetas
Deita
e a luz do teu olhar
que me espreita
é a mesma
que à minha alma despe
extraindo a beleza
que me enfeita
desse manto de tristeza
que me veste

17/05/2006

Ariadna Garibaldi

Tela de Gizella Czeglédi

22 de agosto de 2009

Vaga-lume

Glow worm. Lampyris noctiluca.
Credit Robin Scagell/Galaxy Picture Library

Na luz do vagalume
encontro o meu farol
e nesse lume
(tão pequeno)
acendo a minha fé
na certeza de quem sou
na quase-paz do que quero
eu simplesmente
vou!

08/09/2006

Ariadna Garibaldi

Fotografia de Robin Scagell

20 de agosto de 2009

Os tons do silêncio

 

 

VidanRedRepose

Tela de VIDAN

 

 

Sejam os silêncios feitos
de marfim
palavras soltas em carmim
cintilem
cubra-se a pele em cêra

e se depile apenas a lembrança
presa na tua íris

19/03/2007
Ariadna Garibaldi

16 de agosto de 2009

Uma rosa

rosa e livro

Tela de
Andrea Mancini

 

Uma rosa desfolhada
de pétalas perfumadas
jaz ali tola e sombria
sem ninguém que lhe sorria

as pétalas
fechadas num livro
enaltecem a saudade
lembram a rosa que um dia
era alvo de olhares
enfeitava fantasia

mas agora
suas pétalas
jazem nuas e vazias

26/06/2006

Ariadna Garibaldi

10 de agosto de 2009

Pai

 

euepapai1

Pai
Quantas vezes ao chorar
em teu ombro encontrei consolo
ou com medo em teu peito
encontrei abrigo


no teu riso a certeza de estar tudo bem...


Quantas vezes eu te magoei ao me iludir
Machuquei tuas feridas quando desprezei
cada palavra de conselho
por me achar "sabida"


Quantas vezes pela vida eu  tropecei
e busquei o teu refúgio no meu desespêro
e encontrei no teu abraço
todo o teu amor, todo teu desvelo


Ainda sou uma menina sob o teu olhar
e me sinto protegida sob as tuas asas
És o meu melhor amigo, meu hangar
meu porto seguro...


És o homem mais bonito,
o que não tem erros
feitos porém... Tens de sobra: Um exemplo?
és o meu pai
De todos - o  mais perfeito!

10/08/2007

Ariadna


A você papai, com todo o meu amor, Feliz dias dos pais por muitos e muitos anos ainda!!!!

7 de agosto de 2009

Sou Tua

 

Vladamir-MuhinTela do pintor russo Vladimir Muhin  

 

Pelo avesso do avesso eu me guio
Guardo luto e visto cores no vazio
Se me porto qual vestal
Por castidade
É de amar-te e querer-te de verdade

Eu desprezo a avidez de puro cio
À minh’alma, basta o amor terno e sereno
Mesmo em face de desejos mais sombrios
Dispo os beijos
Colho olhares e me desvio

Eu sou vale interditado
Intransponível
Uma estrada proibida ao estrangeiro
E que possa eu sentir do amor o cheiro
É só teu o que recato

07/08/2005

Ariadna Garibaldi

5 de agosto de 2009

Confesso que te amo

 

CheektoCheek

Tela de Joseph Lorusso

 

Poderia em vão negar-te que te amo
esconder-me entre frases dissonantes
tais palavras soariam falsamente
e saberias que te amo como antes


Poderia em vão dizer que não te quero
fazer doce ou  ficar emudecida,
saberias que não passo de fingida
e te quero mais que tudo nessa vida!


Então, para quê perder meu tempo,
se mentindo não me engano e nem te engano?
eu confesso que te quero loucamente,
eu confesso que confesso  que te amo!

01/02/2005

Ariadna Garibaldi

1 de agosto de 2009

Cansei de ser certinha

Herder-AlluringDancer

Tela de Edwin Helder

 

Cansei de ser certinha

a irmã mais prestimosa
a mãe total, ardorosa
e a filha perfeitinha
quadradinha, previsível

a romântica incurável
poeta do amor impossível

depois de muito esperar
chegou enfim o momento
de apenas ser mulher
ser tocada, acariciada

descer do meu pedestal
crescer, escalar montanhas
saltar de algum para-quedas
me esbaldar no carnaval

quero errar, quebrar a cara
viver tudo o que é novo
aprender qual é o jogo
quero Vida - pra ser minha

qual cortesã ou rainha
eu quero apenas mudar...
Ser mais eu, correr os riscos

quero soltar o meu grito
dar vazão ao meu instinto
eu quero me liberar!

Já não ser assim certinha
nem igual a mais ninguém
mas sem amarras, mais solta
quem sabe assim ser feliz?

23/01/2007

Ariadna Garibaldi

Aparência

Tela de Román de Blas Aparência O sorriso - algumas vezes - é apenas o disfarce das lágrimas que não chegam até a ...