Divulgue no seu blog

Crisálida

30 de agosto de 2009

 

crisalida2.stamp[4]

Arte fotográfica  Crisálida de José Luis Álvarez

 

 

As noites correm soltas
fluem nuas
na ausência dos teus beijos e carícias
aquece-me a fé
- e os meus desejos -
sufoco no clarão das muitas luas

abraço a minha alma
e repouso
qual fênix que espera pelas penas
crisálida que anseia pelas asas
a rir-se
saboreia as próprias lágrimas

as noites fluem nuas
correm soltas
por beijos
os arpejos dessa lira
que sorvo como cálice de mirra
a me curar as dores e  feridas

30/08/2009

Ariadna Garibaldi

6 comentários:

Eliana Mora (El) disse...

mirra doce que te cure
e nos traga mais e mais poemas tão belos

beijos, poeta Ada

El

Ariadna Garibaldi disse...

Muito obrigada, El! Que assim seja e os anjos digam amém! Teu comentário é um estímulo!

Beijos mil

Ada

Renata de Aragão Lopes disse...

Encontrei-me no poema por três vezes...

"Qual fênix", pois Renata é aquela que renasce a cada dia
- das cinzas, se preciso!

"Os arpejos dessa lira", palavra que também me diz respeito! : )

"Beijos", tema do meu mais recente poema publicado.

Aguardarei sua visita
sempre simpática!
Abração.

Ariadna Garibaldi disse...

Que maravilha, Renata! É tão gratificante quando sabemos que alguém de certa forma se encontrou em nosso poema! Fico muito feliz!

Sim, nem precisa convidar, sempre que percebo que tem poema novo em seu blog, vou lá ler e comentar!

Beijão pra você!!!


Ariadna

ju rigoni disse...

Olá, Ariadna!

Belas imagens num poema que expõe a ansiedade, o desconforto, a insegurança de um ninho vazio. Nascer e morrer são atos solitários, - talvez, por isto, seja tão difícil aceitar a solidão, ainda que momentaneamente, em qualquer fase da vida, especialmente quando a paixão, ou o amor, estão no seu centro.

Sempre bom demais te ler, Ariadna.

Bjs e inté!

Ariadna Garibaldi disse...

Olá Ju! Muito bom de ler teu comentário, sempre pertinente e atento às entrelinhas. Bom demais te ver aqui!

Beijos mil

Ariadna

Postar um comentário