28 de agosto de 2009

Fábulas

129_2842-O jogo de cartas

Tela de Balthus

 

 

Conta quantas são as contas
desse colar de esperanças
qual contávamos as conchas
que catávamos na areia...

Conta quantas são as meias
verdades ditas ou não
quantas cartas tens nas mãos
ou escondidas nas mangas...

Conta quantas são as sombras
que serpenteiam nas ondas
do teu cérebro alterado
pelo teu ego inflamado...

Conta quantas são as teias
que teces com as meadas
de tuas palavras cruas
e mentiras encantadas...

Conta o conto ponto a ponto
como se fosse um bordado
urdido em tecido raro
assim quem sabe eu creia...

16/03/2006

Ariadna Garibaldi

14 comentários:

  1. Perfeito, Ariadna!

    Relacionamentos equivocados... Paixões, amores, e até amizades, vem à lembrança ao ler essas suas palavras.

    Maestria ao extrair da decepção e da ironia tanta poesia...

    Amei! Bjs, Ariadna. E inté!

    ResponderExcluir
  2. Ju, suas palavras me honram e me comovem, muito obrigada, querida. Esse poema diz muito, com certeza. Um pouco de tudo isso!!

    Beijos mil

    Ariadna

    ResponderExcluir
  3. Ariadna,

    vim agradecer suas palavras
    lá no doce de lira,
    ao comentar "Golpe de vista".
    Ainda estou sob o efeito delas... : )

    E que delícia
    encontrar aqui
    um poema LINDO
    intitulado "Fábulas".
    A mim soou
    quase um trava-línguas,
    de tão bem tramado!
    De fato,
    um bordado seu!
    E com um desfecho
    absolutamente perfeito:
    "Conta (...)
    assim quem saiba eu creia..."

    Incluirei seu blog
    entre minhas "delícias alheias",
    para mantermos contato recíproco.

    Um beijo,
    com todo meu carinho!

    ResponderExcluir
  4. Renata, agora eu é que fiquei emocionada e feliz! Acredite, sou muito seletiva em minhas leituras e comentários, minhas palavras são sempre sinceras e tudo o que falo em meus comentários é como o que escrevo em meus poemas: Vem direto da minha alma!

    É um imenso prazer e uma honra, essa reciprocidade ora iniciada.

    Beijos


    Ariadna Garibaldi

    ResponderExcluir
  5. Bonito e realista, irônico e bem urdido esse poema-bordado, Ariadna.
    Beijo e um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  6. Dade, muito obrigada essas palavras vindas de ti, são um incentivo a continuar escrevendo e me deixam muito feliz.

    Beijos mil e um domingo de muita paz!

    Ariadna

    ResponderExcluir
  7. Bem vindos sempre: O Espelho de Eva e a Eva do espelho, risos. Muito obrigada querida! Beijos mil

    ResponderExcluir
  8. Que primor!
    Interessantíssimo, Ariadna!

    Bju.

    ResponderExcluir
  9. Oi Talita! Muito obrigada, contentíssima porque você gostou! Beijos mil

    ResponderExcluir
  10. Inspiração é assim
    as contas vão-se contanto
    e tu - detalhas pra mim...

    bem urdido, bem talhado,
    lindo!

    beijos da El

    ResponderExcluir
  11. Olá El, quanta honra! Comentário tão positivo teu, ainda por cima de forma poética, é um presente e tanto! Muito obrigada, El, fiquei muitíssimo feliz!

    Beijos mil

    ResponderExcluir
  12. Que jogo de palavras incrível Ariadna! Lindos versos. Um bordado perfeito!

    ResponderExcluir
  13. Olá Elis! Muito obrigada! Seu comentário me envaidece e incentiva, agradeço de coração suas palavras!

    Beijos e ótimo final de semana!

    Ariadna

    ResponderExcluir

Aparência

Tela de Román de Blas Aparência O sorriso - algumas vezes - é apenas o disfarce das lágrimas que não chegam até a ...